domingo, 11 de agosto de 2013

Cachorros e adultos - às vezes não é assim tão simples

(Click here for the English version)


Questão que me colocaram por e-mail há algum tempo:

Boa noite, eu encontrei o seu blog "por acaso" devido a uma pesquisa que andava a fazer sobre "Como relacionar os meus cães". E se não for muito incomodo para si, e pelo que percebi tem experiência nesta área, gostaria que me respondesse a esta questão, dentro dos possíveis.
Ora passo a explicar, eu tenho o Labrador Retriever com 6 anos, bastante sociável, carinhoso, estável e já bastante ponderado, tem por vezes aqueles picos de excitação quando está com outro macho mas rapidamente essa comportamento desaparece após se conhecerem.
Ou seja, o Bronco nunca teve problemas com outros cães, e quando digo problemas refiro-me a medo, ansiedade, ...
A questão é que à pouco tempo ele foi mordido, nada de muito grave por um Rafeiro do Alentejo, por descuido da minha parte e aquilo foi em menos de um milésimo de segundo e tenho algum medo que ele tenha ficado com algum receio a outros cães (isto foi a minha primeira conclusão).
E porquê? Porque está quase a fazer duas semanas que trouxe para casa uma cadela da raça Dogue Alemão, e a cadela como é óbvio quer brincar com ele, e acaba por chatear um pouco o Bronco e o mecanismo de defesa dele é simplesmente fugir da cadela.
No 1º dia mostrou-se muito interessado, mas quando viu que "aquela coisinha" ia ficar mudou de comportamento.
Eu tenho mantido os dois cães separados, ele tem acesso à casa toda e a cadela está na marquise devidamente acondicionada, e durante o dia junto-os entre 2 a 4 vezes no pátio, nunca mais de 30/45 min e este tempo é passado como descrevi à pouco, ela a querer brincar e ele a fugir e a evitar, mas ainda assim mostra algum interesse. E a questão do receio por parte dele em relação a outros cães é passado, porque este fim de semana um amigo trouxe cá o cão dele ( os cães não se conheciam ) e em pouco tempo estavam a brincar.
Com isto pergunto se devia mudar algo, ou o que que estou a fazer errado? Até porque isto é algo que me está a preocupar porque não pensei que corresse assim.
De frisar que a Daisy tem quase 3 meses e penso que não interpreta bem alguns sinais da parte dele. E penso não ser por ciúmes porque comem em locais separados/diferentes a horas diferentes.
Se me pudesse dar uma ajuda ficava muito grato.

A minha resposta:

Antes de fazer comentários sobre o que me expõe, quero fazer uma grande ressalva… É impossível discutir casos concretos sem ver ao certo a situação e os cães, de preferência no seu ambiente. Vou-lhe dizer o que me parece estar a ocorrer com base na sua descrição, mas tome apenas como indicações gerais, e não como algo de muito específico para o seu caso particular. Normalmente, há muitas subtilezas da comunicação canina, que a maior parte dos donos não se apercebem (incluindo pessoas supostamente com bastante experiência de cães) e que podem alterar todo o sentido com que uma pessoa interpreta uma situação.

Ora bem, então agora quanto às suas dúvidas… parece-me que temos aqui duas questões independentes

1º - A mordida ao Labrador
Não posso falar nada sobre se ficaram receios face a outros cães sem ver como se comporta, mas o facto de ele rapidamente se ter posto a brincar com o cão do seu amigo parece sugerir que não terão ficado grandes sequelas.
Uma mordida séria em cachorros pode por vezes deixar certos traumas, por ele associar a situação a qualquer estímulo – o sítio onde estava quando foi mordido, o tipo de cão que o mordeu, a pessoa com quem estava, etc. Agora num cão adulto, ainda por cima com a idade do seu, e sobretudo não sendo uma mordida séria, normalmente não deixa grandes más recordações…

2º - O Labrador com a Dogue Alemão
Nesta situação, e pelo que me descreve, faço uma leitura totalmente oposta à sua! ;)
Vamos trocar de espécie…Imagine que está sossegado em casa, a descansar, e uma criança está constantemente a vir para cima de si, aos pulos, a puxá-lo para brincar, mas você o que quer é descansar porque está cansado do dia de trabalho. O que é que faz?
Pois, extactamente!… O seu Labrador está é a ter um comportamento extremamente equilibrado!
Ok, não é propriamente a imagem que nos “pintam” quando se adquire um cachorro, que ele e o mais velho vão ser super-amigos, mas tal não está fora de questão.
Simplesmente, parece-me aqui que a cachorra é um bocado “chata” demais com o Labrador, um pouco “insistente”. E ele, como cão bem-educado que é, afasta-se para procurar um pouco de paz e sossego em vez de resmungar com ela.

Por regra, os adultos toleram muita coisa de cachorros novos, abstêm-se de fazer correctivos e deixam-nos fazer muita coisa que não deixariam cães mais velhos fazer. E isso pode levar a que cachorros sem ninguém que lhes explique como proceder fiquem abusivos. O problema é que à medida que vão crescendo, a partir mais ou menos dos 5 meses, os adultos deixam de tolerar certas coisas, e podem começar a reagir de forma diferente se o cachorro não começar a mostrar os comportamentos adequados.
Ou seja… na sua situação, mais do que preocupar-me com o comportamento do Labrador, eu preocupar-me-ia com o comportamento da cachorra. Tem de a habituar a ser mais calma com o Labrador, e a respeitar o ele não querer ser por vezes incomodado, se for preciso canalizando a energia dela para outras atividades que não envolvam “chatear” o Labrador.
E para isto, se não tiver muito habituado a interpretar comportamento canino, aconselhava que falasse com um educador canino. Não precisamos de estar necessariamente a falar de “treino” formal propriamente dito (mas que é sempre bom qualquer cão ter), mas de uma eventual modificação de comportamento, redirecionado a cachorra para atividades e brincadeiras mais benéficas para todos.
Espero que isto ajude um pouco…

Sem comentários:

Publicar um comentário