terça-feira, 10 de Maio de 2011

People meeting dogs / Dogs meeting people



The first dog I had from puppyhood, Nikko, was afraid of people. And he was lucky enough (or unlucky enough, form his point of view) to be very appealing, with his scruffy look. When I took him out for walks, if we were lucky enough for people to ask me if they could pet him (because most wouldn’t even bother to ask, they’d just do it), I’d tell them no, and explain them that he didn’t like it so I didn’t want to force him into an unpleasant situation. My mother, meaning well, would say yes, go ahead, and if necessary would pick the puppy up so people could pet him better. Which, of course, would only make matters worse, as he was left without the possibility to choose what t do and eventually walk away. 

If it was you, would you like it?
Just imagine… You’re calmly enjoying your walk, contemplating the views, watching passers-by when out of the blue comes a stranger to you, holds you, gives you a tight hug ad a long-time friend, pokes you all over and walks away. Confused? A bit up ahead, another person comes by, picks you up, smooches you all with kisses and baby talks at you and goes away. What the hell? Shortly thereafter these situations repeat. When will you run out of patience? In my personal case, I can say I’d quickly become a hazard to people’s physical integrity… ;)
Surreal? Without a doubt! Yet this is a reality for countless dogs on their walks – to be frequently intercepted by people who want to touch them, while they are expected not to have any negative reaction!
A dog on the street is a good dog?
When you see a child on the street, do you immediately assume he is well behaved? However, when they see a dog on the street, most people assume the dog will tolerate anything that comes their way. And indeed most dogs do know how to behave in public. But what about those that don’t? Oh, those their owners leave at home! What does that solve? A dog permanently locked up at home will never learn to behave on a human society. It is necessary that the dog comes outside, calmly and controlled, to lear the rules he is expected to follow. And for that it is necessary that the owner is willing to teach them, with or without professional help depending on the situation, and that other people respect the dog’s space and his need of learning.

Ask first
As soon as they see a dog on the street, most people, and specially children, will immediately go to him and start touching him. However, get used, and teach you children, to ask the owner for permission first. It is so simples and so much safer! And it is a sign of respect for the owner and the dog. And respect what the owner tells you, whether you agree or not! I remember that in the rare occasions people asked my if they could pet Nikko and I told them no, explaining why, the typical reply was “oh, but he is so cute, of course he can’t be afraid of people!” What does being cute has to do with being afraid of people? In principle, the owner knows his dog better than anyone and is the best person (except in some situations a specialized professional) to assess how the dog will react in different situations. Indeed it is often because people will disregard the owner’s statement that leads some owners to systematically refuse any contact between their dog and other people, creating a vicious cycle in which the dog may even start to be (even more) afraid of people.
But don’t fall on the opposite extreme either! It is so common to hear parent to say to their children approaching a strange dog “Don’t touch the dog, he bites!” Why make children afraid of dogs? If you don’t want your child to touch the dog, would it be more sensible to explain him why they shouldn’t touch strange dogs and teach him to ask the owner for permission first?

Watch the dog
Even if the owner allows you to touch his dog, watch carefully if the dog really wants that contact. Many people accept strangers to pet their dog not because the animal likes it or because the owner really doesn’t mind, but because socially it “looks bad” if they refuse it. And forcing a shy or fearful dog to contact may worsen his fears and lead to situation which may endanger the person’s and/or animal’s physical integrity.
But is you watch the dog’s behavior, he will usually show a number of signs indicating if he is comfortable or not with the situation. Some stress signs (or calming signs, as they are more often called) are subtle and may go unnoticed for those who don’t know them – like the pulling back of the lips, or pupil’s dilatation, which is a physiological fear response and can be a preparation for a “flight or fight” response. Other signs are not so subtle but many people do not know how to interpret them correctly. Like the dog that turns the head sideways avoiding facing the person approaching him, he is not doing it because he saw something more interesting elsewhere. Or the dog that starts yawning or licking his lips or nose, after all he hasn’t just eaten something delicious and a walk is not a time to be sleepy. But some signs are obvious – the unsure dog that approaches slowly and crouching, the dog that steps away from the person or hides behind or between his owner’s legs is clearly saying he is not comfortable with the situation. All this, of course, without the extremes of growling or snapping (a bite in the air, discouraging further approach). In this situation, why force? And run the risk of making this a very complicated situation to everyone involved?

How to approach a dog?
Ok, so you asked the owner for permission to pet his dog and the animal doesn’t seem uncomfortable with the situation. Despite that, it may not be the best idea to reach out to the dog, give him a big hug and a huge kiss on the face! Generally, dogs don’t like being hugged, even by people they know well. Actually, all it takes is to think that not only this gesture does not exist among dogs but also it takes away their choice to move away if they want. Even if dogs with a strong bond among themselves sometimes like to be in tight physical contact, usually the most similar to a hug dogs have is during hierarchy rituals or fights. It is thus easy to figure that this gesture has a totally different meaning in dogs and humans.
What to do then? Do not approach the dog straight forward, which is intimidatory for the animal. Avoid looking him straight in the eyes (do you like it when a stranger does that to you?), specially in the first moments until the dog is relaxed. Crouch down beside him, thus becoming more accessible while following canine protocol – unlike people, dogs great side by side, not straight forward. Let the dog decide to come to you. This is very important, as it allows the dog to decide if he is comfortable with the situation. You may even drop a hand, so he can sniff it. He may approach you and stay there sniffing, he may come, sniff and move away… respect his decision and do now go after him if he leaves.

Where to touch?
If the dog seems to be comfortable and seeks contact, usually the next step is people trying to pet him. This also often requires some self-control. Avoid sudden movements, which may scare the dog. People tend to go for the head, but most dogs don’t particularly like being petted there. Ask the owner if the dog has a preferred spot and/or try the cheeks behind the lips, behind the ears, the chest, shoulders, in the back near the tail… It is important that you do it gently, always watching the dog, and stop if the dog starts to show signs of discomfort or stress.

In short…
In order for everyone (people and dogs) to enjoy the sunny days approaching, all it takes is some mutual respect and common-sense. Most dogs like to interact with people, but unlike many seem to think, not all dogs are comfortable in that situation. All it takes is some common-sense from the owners and other people for walks to turn into a pleasant experience for everyone involved, and not a nightmare for the dog and the owner.

Pessoas conhecendo cães / Cães conhecendo pessoas

(English version above)

O primeiro cão que tive desde cachorro, o Nikko, tinha medo de pessoas. E tinha a sorte (ou o azar, sob o ponto de vista dele) de ter um aspecto muito atractivo, com o seu pelo desgrenhado. Quando eu o passeava, se tivesse a sorte de as pessoas me perguntarem se lhe podiam fazer festas (isto porque a maior parte nem se dava ao trabalho de perguntar, faziam-no logo), dizia que não, que ele não gostava pelo que não o queria forçar a uma situação desagradável para ele. Já a minha mãe, cheia de boas intenções, dizia que sim e, se fosse preciso, pegava no cachorro ao colo para as pessoas lhe poderem mexer melhor. Ora, naturalmente isto só agravava a situação, pois ele ficava sem a hipótese de escolher o que fazer e eventualmente afastar-se.

Se fosse consigo, gostava?

Imagine… Está você calmamente a disfrutar o seu passeio, a apreciar a vista, a ver quem passa, quando de repente vem um perfeito desconhecido ter consigo, agarra-o, dá-lhe um abraço bem apertado como se fosse um amigo de longa data, apalpa-o todo e desaparece em seguida. Confuso? Um pouco mais à frente, aproxima-se outra pessoa, pega-o ao colo, enche-o de beijos enquanto lhe fala como se fosse um bebé e vai-se embora. Mas o que é que se passa? Passado mais um pouco, estas situações repetem-se. Quando é que a sua paciência acaba? No meu caso pessoal, posso dizer que certamente rapidamente me tornaria num perigo para a integridade física das pessoas… ;)
Surreal? Certamente! Não passaria pela cabeça de ninguém comportar-se assim com perfeitos desconhecidos. No entanto, esta é a realidade de inúmeros cães, quando vão passear – serem frequentemente interceptados por pessoas que lhes querem mexer, enquanto se espera que não tenham qualquer tipo de reacção negativa!

Um cão na rua é um bom cão?

Quando vê uma criança na rua, assume imediatamente que é uma criança bem-educada? No entanto, quando vêm um cão na rua, a maioria das pessoas assume que o cão irá tolerar tudo o que lhe aparecer. E efectivamente, a maioria dos cães sabem comportar-se minimamente em público. Mas e quanto aos que não sabem? Ah, mas esses os seus donos deixam em casa! O que é que isso resolve? Um cão que fique permanentemente confinado em casa nunca aprenderá a comportar-se numa sociedade humana. É necessário vir para o exterior, calma e controladamente, para aprender as regras que deve cumprir. E para isso é preciso que o dono esteja disposto a ensiná-lo, com ou sem a ajuda de profissionais consoante a situação, e que as outras pessoas respeitem o espaço do cão e a sua necessidade de aprendizagem.

Peça autorização primeiro

A maior parte das pessoas, e principalmente as crianças, assim que vêm um cão na rua, de imediato se dirige a ele e começa a mexer-lhe. No entanto, habitue-se, e ensine os seus filhos, a pedir primeiro autorização ao dono. É tão simples e tão mais seguro! E é um sinal de respeito pelo dono e pelo cão. E respeite o que o dono lhe diz, quer concorde quer não! Lembro-me que, nas raras ocasiões em que as pessoas me perguntavam se podiam mexer no Nikko, e eu lhes dizia não explicando a razão, a resposta típica era “oh, mas ele é tão lindo, claro que não pode ter medo de pessoas!” O que é que ser bonito tem a ver com ter medo de pessoas? À partida, o dono conhece o seu cão melhor que ninguém e será a pessoa mais avalizada (salvo, em algumas situações, um profissional especializado) a aferir como o animal irá reagir em diferentes situações. Aliás, é precisamente o facto de as pessoas muitas vezes desrespeitarem as indicações do dono que leva a que alguns donos comecem sistematicamente a recusar qualquer contacto entre o seu cão e outras pessoas, criando um círculo vicioso em que o cão poderá inclusive começar a ganhar (ainda mais) medo às pessoas.
Mas também não caia no extremo oposto! É tão frequente ouvir os pais dizer aos seus filhos que se dirigem a um cão desconhecido “Não mexas que o cão morde!” Porquê incutir às crianças o medo aos cães? Se não se quer que a criança mexa no cão, não seria mais razoável explicar-lhe porque é que não deve mexer em cães desconhecidos e ensiná-la a pedir primeiro autorização ao dono?

Observe o cão 
Mesmo que o dono o autorize a mexer no seu cão, observe atentamente se o cão quer efectivamente esse contacto. Muitas pessoas acedem a que estranhos façam festas ao seu cão não porque este gosta da situação, ou porque os donos efectivamente não se importem, mas porque socialmente “fica mal” recusar. E forçar um cão tímido ou receoso ao contacto poderá agravar os seus medos e levar potencialmente a situações que ponham em risco a integridade física da pessoa e/ou do animal.
Mas se prestar atenção ao comportamento do cão, normalmente ele irá dar muitos sinais se está confortável com a situação ou não. Um cão que voluntariamente vem ter com a pessoa é um cão que, à partida, estará mais predisposto a estabelecer contacto físico. Mas e os outros? Alguns sinais indicadores de stress (ou sinais calmantes, como são frequentemente designados) são subtis e poderão passar desapercebidos para quem não os conhece – por exemplo, o retraír dos lábios, ou a dilatação das pupilas, que é uma resposta fisiológica de medo e que pode ser preparação para uma reacção de “fuga ou ataque”. Outros sinais não são tão subtis, mas muitas pessoas não os sabem interpretar correctamente. Como o cão que vira a cabeça de lado, evitando encarar a pessoa que se aproxima dele, não o faz porque viu algo mais interessante noutro sítio. Ou o cão que começa a bocejar ou a lamber os lábios ou o nariz, afinal ele não acabou de comer algo saboroso nem um passeio é altura em que esteja com sono. Mas alguns sinais são óbvios – o cão inseguro que se aproxima devagar e agachado, o cão que se afasta da pessoa ou que se refugia atrás ou entre as pernas do seu dono está claramente a demonstrar que a situação não lhe agrada. Isto, claro, sem chegar aos extremos do rosnar ou do snapping (dentada no ar, para desencorajar uma aproximação). Numa situação destas, porquê insistir? E arriscar tornar a situação extremamente complicada para todos os envolvidos?

Como abordar um cão?
Ok, portanto pediu autorização ao dono para fazer festas ao cão, e o animal não parece estar desconfortável com a situação. Apesar disso, talvez não seja uma boa chegar ao pé do cão, dar-lhe um abraço e pespegar-lhe com um beijo no meio do focinho! De uma forma geral, os cães não gostam de abraços, mesmo das pessoas que conhecem bem. Aliás, basta pensar que esse gesto não só não existe entre cães como lhes elimina a hipótese de se afastarem se quiserem. Apesar de cães com um grande laço entre eles gostem por vezes de estar contacto físico estreito um com o outro, o mais parecido com um abraço que eles têm ocorre normalmente durante rituais ou lutas hierárquicas entre cães. Não será assim difícil imaginar que este gesto tem para eles uma conotação diferente da que tem para nós.
Então que fazer? Não aborde o animal de frente, isso é intimidatório para o cão. Evite olhar o cão directamente nos olhos (gosta de ter um estranho a olhá-lo directamente nos olhos?), sobretudo nos primeiros momentos até o cão estar relaxado. Agache-se ao lado do cão, tornando-se assim mais acessível e cumprindo a etiqueta canina – ao contrário das pessoas, os cães cumprimentam-se de lado, não de frente. Deixe ser o cão a decidir vir ter consigo. Isto é muito importante, pois permite que seja o cão a decidir se se sente confortável com a situação. Pode mesmo deixar uma mão descaída, para o cão vir cheirar. Ele poderá aproximar-se e ficar a cheirar, ou aproximar-se, cheirar e afastar-se de imediato… respeite a sua decisão e não vá atrás dele se se afastar.

Onde mexer?
Se o cão der sinais de estar confortável e procurar contacto, a fase seguinte é normalmente as pessoas tentarem fazer-lhe festas. Esta situação também requer frequentemente algum auto-controlo. Evite movimentos bruscos, que poderão assustar o cão. A tendência é tentar fazer festas na cabeça, mas a maioria dos cães não gosta particularmente de carícias aí. Pergunte ao dono se o cão tem algum sitio preferido, e/ou experimente as faces atrás dos lábios, atrás das orelhas, no peito, nos ombros, na base da cauda… É importante que o vá fazendo calmamente, sempre observando o cão, e que pare se o cão começar a exibir sinais de desconforto ou stress.

Em suma…

Para que todos (pessoas e cães) possam disfrutar os dias soalheiros que aí vêm, basta um pouco de respeito mútuo e bom-senso. A maioria dos cães gosta de interagir com outras pessoas, mas ao contrário do que muitas parecem pensar, nem todos os cães se sentem confortáveis nessa situação. Basta um pouco de bom senso por parte dos donos e das restantes pessoas para que os passeios sejam uma experiência agradável para todos envolvidos, e não um martírio para o cão e o dono.